Página Inicial Youtube Twitter Facebook

31/01/2018: A nauseabunda politicalha brasileira

Perdemos nossos melhores políticos, intelectuais e homens públicos. Em verdade, tivemos poucos, relativamente à história universal. O fato é que nossa atual representação se assemelha a um valhacouto de pequenos homens interessados em seus próprios umbigos. De nada valeram as memoráveis manifestações de rua de 2016. O povo falou a ouvidos moucos. Restaram rebotalhos políticos que se digladiam em campos opostos: os ideólogos de direita e esquerda, a vacuidade completa.

O símbolo dessa politicalha é uma velha bruxa medieval, feia, má, cheia de protuberâncias pontiagudas e mergulhadas no ódio ao adversário, ao que se opõe e seus planos pessoais, revestidos de uma palavra vã, "patriotismo". A imaginar-se esse símbolo, podemos lembrar o poema alegórico e tenebroso de Charles Baudelaire:

 

                                                   "Remorso póstumo

                                                   Quando fores dormir, ó bela tenebrosa,

                                                   Num eco mausoléu de mármores, e não

                                                   Tiveres por alcova e morada senão

                                                   Uma fosse profunda e uma tumba chuvosa;

                                                   Quando a pedra, oprimindo essa carne medrosa

                                                   E esses flancos sensuais de mora lassidão,

                                                   Impedir de querer e de arflar seu coração

                                                   E teus pés de seguir a trilha aventurosa,

                                                   O túmulo que terá seu confidente em mim

                                                   - Porque o túmulo sempre há de entender o poeta -

                                                   Da insônia sepulcral dessas noites sem fim,

                                                   Dir-te-á: "De que te serviu cortesã incompetente,

                                                   De ter tido o que em vão choram os mortos sós?

                                                   O verme te roerá como um remorso atroz."

 

Claramente, não é unânime. Um povo miscigenado e de respeitáveis tradições, afora os políticos minúsculos,  têm gênios do pensamento, da política, das ciências e da poesia, mas terá de contornar as montanhas pedregosas que vemos em nossos próximos caminhos.

Amadeu Garrido de Paula, é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.