Página Inicial Youtube Twitter Facebook

ADUANEIRAS (InvestNews - 11/09)

Reflexos da caminhada altista das importações

São Paulo, 11 de setembro de 2008 - Como é sabido, o comércio internacional vem experimentando fortes oscilações, tanto em relação às expectativas de diminuição das atividades do mercado dos Estados Unidos, que pode ser considerada a "mola propulsora" da atual economia mundial, quanto pelos efeitos desastrosos que essas oscilações provocam na economia de outros países.
O Brasil, não se pode olvidar, também caminha na expectativa dos reflexos que tais variações possam vir a refletir em sua economia e, consequentemente, em suas atividades no comércio internacional.

Lembremo-nos que, graças à diretriz que vem sendo imprimida pelo Banco Central, em especial a elevação constante das taxas de juros, temos permanecido um tanto refratários às oscilações que esses fatores têm provocado.

Por preocupação de nossos empresários ou mesmo pela "necessidade de sobrevivência" econômica, os exportadores têm procurado alternativas que permitam que as exportações não declinem ao sabor daquilo que, poderíamos dizer, tem se tornado uma constante pressão ou mesmo imposição do mercado.

Já, no que se refere ao alargamento das importações, pode-se apoiar este acontecimento ao fato de que o declínio do dólar, pela sua constante desvalorização nos diferentes mercados e, mais em especial no Brasil, devido à elevada taxa de juros, provocou um constante ingresso de capitais especulativos. Se o aumento da taxa cambial desestimula as exportações, a recíproca é verdadeira para a elevação das importações.

Quanto ao declínio da taxa cambial, que se apresentou de forma preocupante e muito acentuada, na atualidade podemos dizer que estamos quase saboreando uma certa bonança, pois neste ano de 2008 já externa um crescimento que se aproxima de 8%.

(João dos Santos Bizelli é Consultor de Importação da Aduaneiras. )