Página Inicial Youtube Twitter Facebook

IBPT (G1.com - 3/Dez)

Impostos barram maior queda de preços em importados para o Natal

Bacalhau, frutas secas, azeite: se você pretende levar uma cesta de Natal carregada de importados, a boa notícia é que o dólar mais baixo barateou o preço de alguns desses produtos. Só que não vai dar para sentir muito o efeito da queda por causa dos impostos.

Michelle BarrosSão Paulo, SP

Décimo-terceiro na carteira e lista de presentes na cabeça. E ainda tem as compras para a ceia. Bacalhau, frutas secas, azeite: se você pretende levar uma cesta de Natal carregada de importados, a boa notícia é que o dólar mais baixo barateou o preço de alguns desses produtos. Só que não vai dar para sentir muito o efeito da queda no bolso por causa dos impostos.

Do Natal do ano passado para este, o preço do bacalhau caiu 3,81%, só que 44% do valor do produto é para pagar impostos, segundo a FGV-RJ e o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Quem vai dar de presente um game, um jogo eletrônico, vai pagar 10,61% a menos do que em 2009, mas a carga tributária chega a 72%. “Ele acaba não sentindo tanto, porque o custo de importação é muito elevaso”, afirma Letícia do Amaral, vice-presidente do IBPT. E quase ninguém sabe disso!

E sabe quanto tem de imposto escondido nos importados? No perfume, 78,43%. Do valor do par de tênis, 58,59% é tributo. E lá se vão 49,78% do preço do aparelho de mp3 com a tributação. “Para mim, é uma novidade, tava calculando uns 45%. Bastante caro, bastante caro mesmo”, diz o analista de banco de dados Danilo Pedro dos Santos.

Além dos presentes, o brinde com a família também deve sair caro: 60% do espumante vão para os impostos. Quem quer carrinho cheio de panetone, saiba que a delícia vai junto com muita carga tributária: 35%. “Não pode ficar sem o panetone, nem sem o imposto”, afirma o advogado Bruno Oliveira.

O quilo do peru sai a R$ 10,98, só que R$ 3,20 só de imposto. “30% pro governo né? É desse jeito que fica. Fica pesado para o Natal”, diz o bancário Marcelo Capelas.